fbpx

Fear Free e Feline Friendly Handling

Você já se perguntou por que tem animais, principalmente os gatos, que ficam extremamente irritados quando vão ao veterinário? Ou com medo e fogem até mesmo do proprietário?

Transportar animais para uma visita no veterinário pode ser muito estressante e irritante para o animal, afetando os parâmetros fisiológicos e dificultando anamnese do veterinário. Pensando nisso e em outros aspectos que vamos citar mais adiante, foram criadas as técnicas “Fear Free” e “Feline Friendly Handling” com o intuito de evitar esse medo e estresse. Essas técnicas não são aplicadas apenas no consultório, mas também na residência desses animais, instruído os proprietários. Certamente que para se ter sucesso é importante conhecer o comportamento do animal, para saber o porquê ele teve essa reação.

A espécie animal que será mais beneficiada por essas técnicas, e a que vamos abordar, é a felina, pois é a espécie que mais demonstra agressivamente ou que altera seus parâmetros normais quando ameaçados ou “encurralados”. Gatos foram sempre predadores e algumas atitudes são desencadeadas por conta desse papel que vem de seus ancestrais. Abaixo nós temos uma imagem que demonstra as principais alterações comportamentais encontradas nos felinos com relação a Aggression (agressividade) e Fear (medo).

Fear Free

Traduzindo ao pé da letra significa “livre de medo”, e é exatamente isso que essa técnica nos traz. As duas técnicas são utilizadas simultâneas, pois uma complementa a outra, mais adiante comentaremos a utilização das duas técnicas. O medo é o principal causador da agressividade nos gatos, em segundo lugar temo a dor, então o objetivo desta técnica é realizar um manejo de uma forma que o animal não se sinta ameaçado evitando o medo ao máximo, como o próprio nome nos diz.

Para se evitar que o animal, por exemplo o gato, esteja “livre do medo” é importante sabermos os motivos que causam esse medo neles. Os principais fatores relacionados com essa emoção são movimentos bruscos e rápidos, se você está estressado com certeza vai passar isso para o animal, barulhos muito altos ou contínuos, cheiros que estão associados negativamente, espaços novos com muita informação nova. Outro fator são as memorias negativas que tiveram em outras visitas e que retornam no momento que ocorre o “estimulo”, podendo ser o jaleco branco, um cheiro característico, um objeto, qualquer coisa que faça o animal relembrar daquele estimulo negativo que teve no passado tornando-o agressivo agora.

Esses estímulos e causas de medo e agressividade não são específicos para gatos, podendo ser utilizado em outros animais, mudando apenas algumas características relacionada com o comportamento de cada animal. A técnica a seguir já mais específica.

Feline Friendly Handling

Como citamos anteriormente, as duas técnicas “Fear Free” e “Feline Friendly Handling” são aplicadas simultâneas, tendo uma eficácia maior. Utilizando os mesmos conceitos a respeito do medo, vistos anteriormente, a técnica “Feline Friendly Handling” está mais intimamente relacionado com os felinos, utilizando as características comportamentais especificas deles, e sua tradução significa “manipulação amigável felina”, o exemplo mais comum da utilização dessa técnica é no transporte do animal para o consultório do veterinário e da maneira como o veterinário irá receber e iniciar a manipulação deste animal. Essa técnica se inicia na residência do proprietário, antes de levar ao veterinário, pois é um conjunto de fatores que iram evitar que o animal fique com medo, estressado, levando a agressividade e consequentemente tornando difícil a anamnese.

O importante então é demonstrar no momento da anamnese que o gato está no comando, deixando-o se sentir o mais confortável possível, sem “forçar” ele a ficar em certar posições e sim fazer ele querer ficar naquela posição. No momento em que entrar no consultório é importante abrir a caixa de transporte e deixar o animal explorar o local, com todas as possibilidades de fugas fechadas. Se mesmo abrindo e esse gato não sair para explorar não é necessário obrigar, pode-se retirar a tampa de cima da caixa e realizar o exame físico dentro da mesma.

Referências

RODAN, Ilona. Understanding Feline Behavior and Application for Appropriate Handling and Management. Cat Care Clinic & Behavior Consultations for Cats, v. 25, n. 4, p. 178-188, nov. 2010.

AAFP Position Statement. Respectful handling of cats to prevent fear and pain. Journal of Feline Medicine and Surgery, p. 569-573, mai. 2012. Disponível em: <https://journals.sagepub.com/home/jfm>. Acesso em: 07 nov. 2018.

AAFP Position Statement. Transport of cats. Journal of Feline Medicine and Surgery, p. 886-887, mai. 2012. Disponível em: <https://journals.sagepub.com/home/jfm>. Acesso em: 07 nov. 2018.

AAFP Position Statement. AAFP and ISFM Feline-Friendly Nursing Care Guidelines. Journal of Feline Medicine and Surgery, n. 14, p. 337-349, mai. 2012. Disponível em: <https://journals.sagepub.com/home/jfm>. Acesso em: 07 nov. 2018.

Deixe um Comentário

Contato

Você pode entrar em contato conosco por aqui. Em breve retornaremos!

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar